Home / Informações / Dragão de Komodo

Dragão de Komodo

O dragão de Komodo é um curioso e incrível réptil, um dos maiores lagartos, um dos predadores mais fortes e temidos de seu habitat e também um dos mais estranhos. Veja abaixo alguns fatos estranhos sobre ele e suas principais características!

Dragão de Komodo
Dragão de Komodo

Estímulo para o King Kong

Os dragões de komodo foram uma grande inspiração para o filme sobre o King Kong. Esta obra cinematográfica fala sobre um gorila gigante que vivia em uma ilha pré-histórica perdida. Nos anos 20, o cientista Douglas Burden costumava estudar os dragões capturando-os e trazendo-os para Nova York ainda vivos. Mas dois dos dragões que conseguiram sobreviver à viagem morreram logo depois em um zoológico. Burden culpou a vida na sociedade pelas mortes. Essa história serviu de inspiração para Merian C. Cooper, diretor do filme King Kong, que quis então que a história de King Kong fosse parecida com a dos dragões de komodo capturados por Burden.

Mordida letal

O dragão de komodo tem a fama de possuir uma mordida mortal bastante infecciosa e com muitas bactérias. Mas isso não passa de um mito. Bryan Fry, um pesquisador australiano, cético com a fama dos dragões, desenvolveu uma pesquisa e chegou a conclusão de que a chance de morrer com uma infecção causada pela mordida deles não é maior do que a de qualquer outro animal selvagem. Na verdade, eles liberam um veneno poderoso. Uma simples mordida em um dedo de uma pessoa pode rapidamente causar inchaço, interrupção da coagulação do sangue e dor fulminante. É certamente fatal para animais menores, mas também pode ser fatal em animais maiores.

Dragão de Komodo Mordida
Dragão de Komodo Mordida

 Os maiores comedores de carniça

O dragão de komodo é um lagarto monitor, os seres dessa família são conhecidos por comerem carniça, mesmo as de humanos. Em algumas partes do mundo, como em Bali, algumas tribos chegam a se livrar de corpos de seus mortos deixando que os lagartos os comam. Em apenas uma refeição eles podem ingerir até 80% de seu peso corporal. Por sua digestão lenta, alguns dragões podem comer apenas 12 vezes por ano.

Dragão de Komodo Comendo Carniça
Dragão de Komodo Comendo Carniça

Mecanismo de defesa nojento

Os dragões de komodo se alimentam, dentre outras coisas, de outros dragões de komodo. Isso indica que a vida dos seres menores não é muito fácil, devendo permanecer em constante vigilância em relação aos predadores. Uma maneira que esses lagartos menores têm de se defender é esconder-se cobrindo-se com fezes, o cheiro mantém os dragões maiores afastados. Eles podem assim se esconderem próximos ao intestino de um animal morto, camuflado nas fezes.

Dragão de Komodo
Dragão de Komodo

Partenogênese

Partenogênese é algo relativamente raro na natureza e diz respeito ao crescimento de um embrião sem fertilização, ou seja, fêmeas que conseguem procriar sem serem fecundadas por um macho. Alguns insetos, como abelhas, formigas e vespas possuem essa habilidade, mas ela é ainda mais rara em animais maiores. Apenas recentemente, em 2006, descobriu-se que alguns dragões de komodo fêmea podem fazer isso na ausência de machos. Um detalhe importante: o filho acabará sendo sempre um macho, o que é ótimo para elas, já que assim elas poderão procriar mais facilmente, com seu próprio filho.

Dragão de Komodo Defesa
Dragão de Komodo Defesa

Reprodução

A época de reprodução começa entre maio e agosto e os ovos são postos em setembro. Cerca de vinte ovos são depositados em ninhos abandonados e ficam a incubar durante sete a oito meses, a eclosão ocorre em abril, quando há abundância de insetos. Os dragões de komodo juvenis são vulneráveis e, por isso, abrigam-se em árvores, protegidos de predadores e de adultos canibais. Demoram cerca de três a cinco anos até chegarem à idade de reprodução, e podem viver até os cinquenta anos.

Dragão de Komodo Reprodução
Dragão de Komodo Reprodução

Descrição física

O dragão de komodo é robusto e se assemelha a um dinossauro, pode medir até 3 metros de comprimento e pesar até 100 kg. A cor de sua pele é cinzenta e marrom. Cada uma das quatro patas do dragão de komodo possui cinco garras. No interior de sua mandíbula habitam bactérias letais, sendo que os animais que conseguem escapar de suas garras acabam morrendo por infecções.

Dragão de Komodo Físico
Dragão de Komodo Físico

Dieta

Sua dieta baseia-se em porcos selvagens como os javalis, cabras, veados, búfalos, cavalos, macacos, insetos e até seres humanos. Também se alimenta de carniça de animais e, com o seu faro, pode localizar uma carcaça a quilômetros de distância, sendo capaz de devorá-la por completo. Para se alimentar de animais vivos, o dragão derruba a sua vítima com a sua cauda e depois a corta em pedaços com os dentes. Quando trata-se de animal grande, como um búfalo, o dragão ataca-o sorrateiramente com uma mordida e espera o animal morrer pela infecção produzida pelas bactérias. O lagarto segue a vítima durante algum tempo até que a infecção se encarrega de prostrá-la, quando é então calmamente devorada. Costuma comer primeiro a língua e as entranhas, suas partes preferidas.

Dragão de Komodo Dieta
Dragão de Komodo Dieta

Outros répteis

Existem outras espécies de lagartos gigantes, como o Varanus griséus, que é um animal terrestre, e o Varanus niloticus, que é um réptil com hábitos anfíbios, passando boa parte de sua vida na água. Vivem na África, sul da Ásia, Indonésia e Austrália. Variam muito de tamanho. O menor deles apresenta apenas 20 cm de comprimento.

Sentidos

O dragão de komodo usa a sua língua para detectar estímulos de sabor e cheiro, com o sentido vomeronasa usando o órgão de Jacobson, um sentido que ajuda a navegação no escuro. Com a ajuda de um vento favorável e do seu hábito de balançar a cabeça de um lado para o outro enquanto anda, os dragões de komodo são capazes de detectar carcaças a uma distância de 4 a 5 km.

Dragão de Komodo Sentidos
Dragão de Komodo Sentidos

As narinas do dragão não são úteis para cheirar, pois estes animais não têm diafragma. Apresentam apenas algumas papilas gustativas na parte de trás da sua garganta. As escamas, algumas reforçadas com osso, têm placas sensoriais ligadas a nervos que facilitam o sentido do tacto. As escamas à volta das orelhas, lábios, queixo e das solas dos pés podem ter três ou mais placas sensoriais.

O sentido da audição não é particularmente apurado, apesar do canal auditivo ser bem visível. Julga-se que tenham má visão noturna é capaz de ver as cores, mas tem pouca discriminação visual de objetos parados. Anteriormente, pensava-se que o dragão de komodo era surdo, pois um estudo relatou ausência de agitação em resposta a sussurros, vozes altas ou gritos.

Fotos de Dragão de Komodo

E aí, gostou do artigo? Compartilhe com os seus amigos! Saiba que todos os dias aqui no blog tem conteúdo atualizado sobre o mundo animal. Caso você queira receber artigos exclusivos no seu e-mail como este post, é só se inscrever em um campo que fica à sua direita na tela.

Até breve!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *