Home / Informações / Cascavel-chifruda do Deserto

Cascavel-chifruda do Deserto

Reino: Animalia

Filo: Chordata

Classe: Reptilia

Ordem: Squamata

Subordem: Serpentes

Família: Viperidae

Género: Crotalus

Nome Científico: Crotalus cerastes

Cascavel-chifruda do Deserto
Cascavel-chifruda do Deserto

Também conhecida como serpente-cascavel-de-chifres, a cascavel-chifruda é uma cobra com aproximadamente 75 centímetros de comprimento e que vive em tocas de zonas áridas e desérticas do sudoeste norte-americano e do nordeste do México.

Essa cobra recebe o título de “chifruda”, claro, graças à presença de dois pequenos chifres na cabeça. Durante o dia, ela se esconde em buracos e embaixo da areia. A pele em tons de bege e marrom facilita a camuflagem. À noite, ela sai para caçar.

A cascavel-chifruda rasteja de lado e com incrível velocidade, deixando leves ondulações pelo solo.

Características

A Crotalus cerastes é uma espécie pequena que mede de 40 a 75 centímetros de comprimento, sendo as fêmeas maiores do que os machos. Os chifres na região supraocular ajuda a sombrear os olhos e evita que a areia cubra a serpente por completo enquanto ela se esconde do sol.

A cascavel-chifruda tem seu corpo coberto por manchas dorsais. O padrão de cores consiste em tons que se confundem com o solo; uma mistura de creme com bege, castanho amarelado, marrom e cinza. Estudiosos observaram que essa cobra tem a capacidade de exibir diferentes cores de acordo com a temperatura do ambiente.

A barriga, assim como a maioria das serpentes, é branca. Seu chocalho é marrom escuro e, como estratégia de caça, ela o deixa para fora da areia a fim de atrair suas presas, que os confunde com algum inseto.

Crotalus cerastes
Crotalus cerastes

Apesar de venenosa, a cascavel-chifruda possui um veneno mais fraco. Isso, aliado ao fato de suas glândulas de veneno serem menores, faz com que a espécie seja considerada menos perigosa do que as outras cobras da mesma família. Ainda assim, qualquer mordida dessa cascavel pode ser fatal e deve ser levada a sério.

As mordidas podem causar dor, inchaço e formação de bolhas hemorrágicas. Os sintomas sistêmicos podem incluir náuseas, tonturas, calafrios e choque. Há relatos de que uma simples picada no dedo pode, em pouco mais de duas horas, se alastrar por todo o braço.

Comportamento

Nos Estados Unidos, a cascavel-chifruda recebe o nome de sidewinder devido à habilidade peculiar que ela tem de se locomover de lado (sidewinding). O movimento é pensado para garantir tração na areia do deserto e maior velocidade.

À medida que seu corpo avança sobre a areia, uma impressão em forma de J aparece com a ponta do gancho indicando a direção da viagem.

Comportamento da Cascavel-chifruda
Comportamento da Cascavel-chifruda

As cascavéis-chifrudas utilizam o método sidewinding para subir as inclinações arenosas. Isso aumenta a superfície de contato do corpo com a areia e permite que elas subam até o topo da inclinação sem escorregar.

A espécie possui hábitos noturnos durante os meses quentes e diurnos durante os meses mais frios (de novembro a março).

Reprodução

As fêmeas de cascavel-chifruda dão luz a cerca de 15 filhotes, que nascem envolvidos em uma membrana que se rompe logo após o parto. Os recém-nascidos ficam com a mãe em uma toca pelo período de sete a dez dias. Depois, cada um segue sua vida.

Os filhotes da cascavel-chifruda apresenta um comportamento homeotérmico, algo que nenhum outro tipo de cobra apresenta. Isso significa que eles conseguem manter a temperatura corporal independente da temperatura do ambiente em que eles se encontram.

Após o nascimento, os recém-nascidos ficam coladinhos uns nos outros dento do ninho. Durante a primeira semana de suas vidas, os filhotes utilizam a abertura da toca para aproveitar a luz do dia e criam lá dentro um ambiente favorável que combina o calor exterior com a baixa temperatura no interior da toca.

Reprodução da Cascavel-chifruda do Deserto
Reprodução da Cascavel-chifruda do Deserto

Devido aos movimentos constantes dos recém-nascidos dentro da toca, a temperatura fica estável no ambiente.

As cascavéis-chifrudas amadurecem aos dois ou três anos de idade. Algumas fêmeas ignoram o período reprodutivo e podem ficar até dois anos sem se reproduzir caso a oferta de alimentos for escassa.

O ritual de acasalamento, que acontece nos meses de abril, maio e às vezes no outono, se é realizado da seguinte forma. O macho rasteja ao longo das costas da fêmea, esfregando-a com o queixo para estimulá-la ou despertá-la. Ele então envolve sua cauda em torno da cauda da fêmea para tentar juntar suas cloacas (abertura do corpo posterior através da qual as serpentes excretam fezes e urina e se reproduzem).

Se a fêmea estiver com vontade de acasalar, ela levantará a cauda para o macho. O acasalamento dessas cobras pode durar várias horas, tanto que se uma das cobras decidir se mover, a outra é arrastada junto.

Filhote da Cascavel-chifruda
Filhote da Cascavel-chifruda

As fêmeas podem ter mais de um parceiro em uma temporada de reprodução. Os jovens nascem com seis a oito centímetros de comprimento. O nascimento leva de duas a três horas para se completar. Já adultos, os indivíduos vivem sozinhos e se encontram apenas para o acasalamento.

O ciclo de vida da cascavel-chifruda é extraordinariamente acelerado. As fêmeas têm expectativa de vida de aproximadamente cinco anos. Já os machos podem viver um pouco mais: 13 anos. Na natureza, as fêmeas morrem frequentemente de exaustão após o partos. Outros fatores também são responsáveis por encurtar o tempo de vida desse animal, como a predação dos homens, doenças e atropelamentos.

Em cativeiro, porém, essa espécie consegue viver por mais de 20 anos quando bem alimentada, inclusive as fêmeas.

Subespécies

Crotalus cerastes cerastes

Crotalus cerastes cerastes
Crotalus cerastes cerastes

Encontrada nos Estados Unidos nas áreas desérticas do nordeste de Los Angeles e de San Bernardino, na Califórnia. Pode ser vista no leste de Nevada e no Arizona, nas terras baixas do deserto, em altitudes entre 152 e 1,829 metros.

Crotalus cerastes cercobombus

Presente nos condados de Yuma , Maricopa , Pima e Pinal, no Arizona, e em Sonora, no México.

Crotalus cerastes laterorepens

Possível de ser encontrada a leste de Riverside, na Califórnia; no condado de Pinal, no Arizona; a noroeste de Sonora, no México; e próximo ao rio Colorado em altitudes que variam de 152 a 610 metros.

Crotalus cerastes laterorepens
Crotalus cerastes laterorepens

Status de conservação

A cascavel-chifruda é classificada como Menos Preocupante na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN).  A espécie recebe esse status devido a sua ampla distribuição. A tendência da população de cascavéis-chifrudas foi diagnosticada como estável quando avaliada pela última vez, em 2007.

Fotos da Cascavel-chifruda do Deserto 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *