Home / Informações / Características Protothéria

Características Protothéria

O reino animalia ou em outras palavras o reino dos animais, são classificados individualmente de acordo com características em comum.

Na classe que têm a característica em comum serem vertebrados e possuírem mamas para amamentar o filhote durante a reprodução estão os mamíferos. E ainda sobre a reprodução, esses mesmos animais mamíferos com duas classificações até aqui, reino animalia e classe mammalia se dividem novamente em classificações de acordo com o desenvolvimento embrionário. Essa classificação é um tipo de subclassificação e protothéria é uma delas. Mas não existe apenas ela.

Existem três subclassificações. E novamente dividida de acordo com características em comum. Dentro das subclassificações estão as infraclasses. No caso da subclassificação protothéria estão os animais mamíferos da infraclasse monotremata. Até aqui temos quatro classificações de acordo com as características em comum, fora as duas que já citamos, mais a subclasse e a infraclasse. Por enquanto espero que não tenha sido difícil entender, mas vamos facilitar mais ainda.

Protothéria: Classificações Diferentes Com Características em Comum

Visto que são três subclassificações de animais mamíferos de acordo com as suas características em comum durante o desenvolvimento embrionário e a subclassificação protothéria com a infraclasse de animais monotremados é uma delas, vamos explicar mais sobre.

Os prototherios são animais mamíferos que têm o seu desenvolvimento embrionário no ovo. Isso mesmo! Não são só as aves que caracteristicamente em comum chocam ovos. Alguns poucos animais mamíferos também.

Mais uma das três subclassificações é a eutheria, com a ordem de animais placentários, o nome já diz tudo, são mamíferos que desenvolvem a placenta para o embrião se desenvolver durante a reprodução. E é lá que é terminado o seu total desenvolvimento embrionário antes de nascer e se amamentar através das mamas da mãe durante sua fase de crescimento. Diferentemente da última subclassificação, a Metatheria, que estão os animais da ordem marsupialia.

Os marsupiais são mamíferos que também possuem placenta. Mas além dela o que o mais caracteriza, o marsúpio. Parte do desenvolvimento embrionário deles durante a reprodução é feito na placenta e a maior parte no marsúpio, uma espécie de bolsa, mais conhecida de ser característica do canguru.

Durante o desenvolvimento na placenta nascem pela primeira vez com o único objetivo de chegar até o marsúpio onde vão continuar o desenvolvimento. E é lá que finalizarão o mesmo, enquanto ao mesmo tempo são literalmente grudados as mamas das mães para retirar e receber todo o nutriente necessário nessa etapa através do leite. Tudo isso instintivamente, incrível, né?

Curiosidade

Mas vale lembrar nesse ponto do texto, que nenhum animal é mais evoluído ou menos, melhor ou pior, de acordo com o seu desenvolvimento embrionário durante a reprodução. São apenas animais que se desenvolveram de formas diferentes e por fim se reproduzem igualmente de formas diferentes. E é assim que a natureza sempre nos surpreende com a sua diversa fauna e flora.
Com uma capacidade surpreendente que ultrapassa o nosso entendimento. Independente de ciência ou crença.

Característica Prothotéria: Quem Faz Parte Dessa Classificação

Mas quem são esses incomuns animais mamíferos que botam ovos? Não são tantos como as espécies de aves, muito pelo contrário são poucos. A minoria da população dos mamíferos. Mais especificamente são só duas espécies. Mas chega de suspense e vamos revelar, rufem os tambores… são os ornitorrincos, animais poucos conhecidos assim como o seu surpreendente desenvolvimento embrionário durante a reprodução e as menos conhecidas ainda as equidnas.

Já que falamos de uma subclassificação, vamos falar de todas. Afinal se você chegou até aqui, aposto que você se interessa tanto pelos animais assim como nós.

A eutheria, ou os placentários, o que não deixa de ser surpresa, não a toa são mais conhecidos, são a maioria da população dos mammalia. Correspondem a aproximadamente noventa e cinco porcento. Entre eles eu e você, talvez por isso esse desenvolvimento embrionário não é tão estanho para nós.

Além de nós, estão presentes no mesma infraclasse os primatas, como os macacos, chipanzés e mico leões dourados. E claro que não poderíamos deixar de citar eles, os nossos animais de estimação preferidos culturalmente, os cães, os gatos, os coelhos e até os fofinhos roedores.

Por último, a classificação dos conhecidos cangurus com suas bolsas incomuns. A Metatheria, com os marsupiais e seus marsúpios. Mas por aqui não se encontram só essa espécie não, chegam uma população maior que o segundo exemplo. Também são os fofinhos coalas, os gambás, -conhecidos de uma forma não tão legal uma vez que este animal pode soltar um odor forte com suas glândulas, e por último um animal com um nome bem diferente, mas podemos garantir que não são tão feios ou maus como o seu nome sugere, o diabo da Tasmânia. Todos muito comuns das regiões da Venezuela, onde sua fauna é muito abundante e curiosa.

Desenvolvimento Embrionário Protothéria

Como já vimos, as equidnas e os ornitorrincos são animais mamíferos que apresentam a reprodução parecida com a de aves e até mesmo répteis. Poderíamos dizer de forma leiga que são uma mistura dos três, mamíferos, aves e répteis. A diferença é que no caso das peculiares equidnas se comparadas as aves por exemplo é que, no período de incubação, após os ovos serem postos, não fazem um ninho fabricado pela própria fêmea, mas sim em uma espécie de bolsa abdominal que também possui, parecido com os marsúpio dos marsupiais.

Após a eclosão do ovo na bolsa, os embriões das equidnas ainda estão em desenvolvimento. Parecido de novo com os marsupiais nessa fase, é nesse período que mamam mas não através de mamas, pois as equidnas não a possuem, mas através de glândulas mamárias presentes na bolsa. O embrião lambe o leite que as glândulas expelem.

Os monotremoados se reproduzem pouco além de já serem poucos. Somente uma vez ao ano. E quando reproduzem, dão a luz a somente um filhote no caso das equidnas e de dois a três no caso dos ornitorrincos. Curiosamente a fêmea de ornitorrinco possui dois ovários, um direito e outro esquerdo, mas somente o esquerdo reproduz.
No caso dos ornitorrincos, o período da incubação não é tão diferente comparado ao das aves. A incubação também é feita em um ninho feito engenhosamente pela fêmea. Os materiais usados para essa produção, geralmente são os disponíveis em seu habitat natural vivendo de forma selvagem, como simples folhas, por exemplo.

Os ovos postos são mais parecidos com os dos répteis do que os da aves, por serem mais arredondados, mas ainda assim menores. Se desenvolvem no ovo no ovário da mãe, que toma lugar do que seria a placenta no caso dos placentários e após postos, são incubados.

Os ornitorrincos não possuem bolsas como as equidnas, mas em comum também não possuem mamas e sim glândulas mamárias em que o embrião lambe o leite expelido durante o desenvolvimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *