Home / Informações / Característica do Pinguim de Adélia

Característica do Pinguim de Adélia

O pinguim de Adélia tem a aparência do pinguim mais conhecido popularmente e mais comum. Uma mistura preta e branca, comprido, com a cabeça, a face, as costas e as nadadeiras pretas com o peito e a parte da frente toda branca e bico e pés rosados.

Eles não são espalhados em muitas regiões como algumas das dezessete de espécies existentes de pinguins. Habitam somente na Antártida, sendo uma das pouquíssimas espécies que nidificam nesse continente tão frio.

Curiosamente, o Adélia do seu nome é uma homenagem do descobridor dessa espécie de pinguim a sua esposa. Seus ninhos são caracteristicamente construídos engenhosamente através de pedras encontradas na região onde habitam.

Nos últimos trinta anos houve um preocupante declínio em relação a sua população e reprodução. Isso é mais uma vez consequência do aquecimento global, ação irresponsável do homem sobre a terra, o que infelizmente acaba interferindo diretamente na fauna e flora. Nesse caso, tem aumentado a temperatura da Antártida cerca de seis graus Celsius, onde o gelo é formado e derretido na água, levando junto seus ninhos e ovos ainda não quebrados antes dos novos filhotes nascerem.

Adaptando-se Para Sobreviver

Por seu habitat natural, a Antártida, ter a temperatura de cerca de quarenta graus Celsius no inverno, o pinguim de Adélia teve que se adaptar ao longo do seu desenvolvimento para sobreviver, entre essas adaptações estão a  circulação sanguínea que impede o congelamento e penas que se sobrepõem e são impermeabilizadas naturalmente por glândulas se excretam óleo para a água mega gelada não entrar em contato diretamente com a pele.

Em alguns casos, os filhotes já nascidos, por ainda não terem desenvolvido essas adaptações podem morrer congelados. A dura sobrevivência dos mesmos depende do trabalho em dupla do casal, do macho e da mãe, já que nessa fase são totalmente dependentes não só do aquecimento, que pode ficar por conta de um do casal, mas da alimentação, que pode ficar em responsabilidade do outro, quando tudo funciona como o esperado.

Formar Família é Importante para os Pinguins de Adélia

Caracteristicamente algumas muitas aves, entre elas algumas espécies de pinguins, são monogâmicas e escolhem um só parceiro para partilhar toda a vida. Pinguins de Adélia não se diferem muito disso, formar casais é um comportamento que vem enraizado instintamente nos pinguins, até mesmo por conta dos seus ancestrais.

Ter um parceiro ou parceira é fundamental na sociedade deles. Se na colônia não houverem fêmeas suficientes para todos os machos, não é motivo para os machos não formarem família como o desejado. Há casos de pinguins machos que entre eles formam família.

Família de Pinguim de Adélia
Família de Pinguim de Adélia

São Uma Espécie Inusitada de Pinguins

Os comportamentos dos animais em geral, especialmente quanto ao sexo, são um tanto quanto curiosos. Apesar da sua aparência fofa, os pinguins de Adélia não estão fora disso.

Entre as características desse ato entre eles as palavras que definiriam bem seriam bizarrices, aberrações, excentricidades e esquisitices. Uma curiosidade, é que durante as gravações de documentários, alguns pesquisadores achavam a vida sexual dos pinguins tão depravadas que deixavam de gravar.

Não é para menos, já que segundo os pesquisadores, em alguns casos, há a prática de necrofilia, coesão sexual, abuso sexual de filhote, fornicação com mortos e estupro.Tão absurdo que possivelmente assim como nós,  te fez duvidar da veracidade desses estudos, não é mesmo? Bom, preferimos continuar duvidando. É muito forte para ser realidade.

Não bastando, pesquisadores também descobriram que casais de macho e fêmea de pinguins de Adélia se prostituem, já que seus ninhos são construídos engenhosamente com pedras e precisam de uma boa estrutura para não afundarem, as pedras são consideradas por eles, ouro, assim a fêmea se mostra aberta para adquirir parceiro atraindo machos só afim de conquistar a tão querida pedra para continuar a construir seu ninho e proteger seus filhotes, ao menos mais compreensível que algumas informações aqui passadas.

Um outro comportamento comum para conseguirem mais pedras, é apelarem para o crime, ou seja, roubarem pedras uns dos outros, usando claro a esperteza para não serem descobertos e gerarem conflitos. Outra prática comum entre eles mas que certamente não se inclui como aberração é a homossexualidade, mas que para a época da descoberta pelos pesquisadores, também era algo escandaloso.

O Lado Fofo do Pinguim de Adélia

Grupo de Pinguim de Adélia se Deslocando Juntos
Grupo de Pinguim de Adélia se Deslocando Juntos

Para equilibrarmos o texto e não difamarmos os fofos pinguins de Adélia para vocês, só com suas características um tanto, digamos, inusitadas, vamos a algumas mais compatíveis com sua aparência fofa.

Já que formar família e ter uma parceira é fundamental para a sua vida, nessa concorrida conquista nessas colônias cheias de machos pelas fêmeas, é preciso algumas especialidades. Na fase de conquista a fêmea se mostra aberta ao macho através da sua sensualidade forjada, o macho por sua vez, quando percebe a abertura, oferece uma pedra para a fêmea, uma pedra pois como já citado aqui no texto é o material que eles constroem o ninho para eles e para os filhotes quando se reproduzem, como quem quer literalmente dizer: “quer formar um casal e uma família comigo?”, se a fêmea aceitar, eles formam o tão querido casal.

Após algumas migrações por conta da temperatura ou para caçar o casal pode se perder, mas o parceiro ou a parceira não caem no esquecimento nem são trocados, afinal, eles são monogâmicos, para esse tão esperado reencontro fazem uma espécie de dança, e se reconhecerem-se, voltam a se relacionar.

Como uma família ideal, quando reproduzem, tanto o macho quanto a mãe cuidam dos filhotes, enquanto um protege os filhotes de predadores e do frio, o outro vai a caça para alimentar a família e vice versa. Nessa fase os filhotes são totalmente dependentes e o casal não deixa de dar todo o cuidado necessário para sobreviverem mesmo diante da dificuldade da caça e do frio e trocam tarefas.

Após a dependência e todo o cuidado necessário, desenvolvem a independência e passam a viver sem a dependência dos pais na mesma colônia de forma autônoma como os pais e agora é a vez deles de conquistarem suas famílias nessa sociedade tão incrível e que assim seja por diante, mantendo a segurança dessa maravilhosa espécie de pinguins longe da extinção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *