Home / Informações / Bacurau, o Pássaro Noturno

Bacurau, o Pássaro Noturno

Reino: Animalia

Filo: Chordata

Classe: Aves

Ordem: Caprimulgiformes

Família: Caprimulgidae

Gênero: Nyctidromus

Pássaro Noturno Bacurau
Pássaro Noturno Bacurau

Nome Científico: Nyctidromus albicolis

Curiango, curiango-comum, ju-jau, caribamba, amanhã-eu-vou, ibijau, mede-léguas, acurana e a-ku-kú. Todas essas são denominações usadas para se referir ao bacurau. Trata-se de uma pássaro com hábitos noturnos e que ocorre do sul do México até o norte da Argentina. No Brasil, essa ave é muito vista na região do cerrado.

O bacurau tem na noite a sua principal rotina. Essa espécie costuma viver no chão, onde facilmente se camufla em meio às folhagens. Durante o dia, o pássaro é avistado apenas quando se espanta e, só assim, voa a curtas distâncias para fugir do susto.

Nyctidromus albicollis
Nyctidromus albicollis

A Nyctidromus albicolis tem como habitat as bordas de florestas, capoeiras abertas, campos com árvores isoladas, cerrados e capões de mata, além de matas secundárias e em processo de reflorestamento.

Características

O bacurau mede de 22 a 28 centímetros de comprimento. O macho pesa entre 44 e 87 gramas, enquanto a fêmea pesa de 43 a 90 gramas. O macho adulto apresenta coloração marrom-acinzentado. As partes superiores e as asas são tingidas de castanho com manchas em tons de marrom, cinza e branco. As partes inferiores também são castanho-acinzentadas, com marcações marrons e amareladas na barriga e nos flancos.

Durante o voo, o macho exibe as pontas escuras e uma ampla faixa branca das asas. Na cauda, ​​as duas retrizes externas apresentam a cor branca, o que é uma característica usada para diferenciar o sexo da ave. Na região da garganta, o bacurau apresenta uma mancha branca.

Bacurau Características
Bacurau Características

Suas asas são grandes e podem chegar a medir até a metade do comprimento da cauda, facilmente visível quando a ave está em repouso. Na cabeça, a parte central de sua coroa é amplamente riscada de marrom escuro. O bico do bacurau é curto e negro, apresentando duas grandes narinas. Os olhos são marrom-escuros. As pernas, assim como os pés, são curtas e de coloração acinzentada.

A fêmea, por sua vez, tem nas asas bandas estreitas de coloração bege ou parda. Diferentemente dos indivíduos do sexo masculino, elas não possuem as penas retrizes externas de coloração branca. Somente a ponta da sua cauda é branca.

A plumagem dos filhotes se assemelha com a plumagem dos indivíduos adultos, com as bandas brancas ou pardas das asas mais estreitas. Estas bandas das asas são brancas em jovens do sexo masculino e pardas em jovens do sexo feminino.

Bacurau Pássaro
Bacurau Pássaro

O tamanho da ave, assim como a plumagem, pode variar de acordo com a subespécie analisada, principalmente quanto a extensão de branco na cauda dos machos.

Alimentação

Como dito anteriormente, o bacurau é uma ave de hábitos noturnos. Ele sai para se alimentar à noite e, com suas grandes asas, é capaz de perseguir e capturar insetos voadores. Bacuraus executam um voo excelente e são extremamente ágeis quando estão no ar. Essa espécie de alimenta de numerosas espécies de insetos, como besouros, mariposas, borboletas, abelhas, vespas e formigas. O bacurau também caça insetos que voam sobre áreas abertas.

Bacurau Alimentação
Bacurau Alimentação

Reprodução

O bacurau constrói seu ninho em um pequeno buraco no solo, onde os ovos são depositados. São dois ovos postos em dias alternados. Em geral, a coloração dos ovos de bacurau é rósea com pequenas manchas marrons. Eles medem, aproximadamente, 27 x 20,5 milímetros e com peso médio de 5,75 gramas.

O período de incubação é de 19 dias. O processo é exercido por ambos os pais, mas é a fêmea que participa com maior frequência da atividade de incubação. Os filhotes abandonam o ninho entre 21 e 25 dias após eclodirem o ovo.

Bacurau Reprodução
Bacurau Reprodução

A alimentação dos recém-nascidos é feita pelo pai e pela mãe. Mas, agora, é macho quem participa com maior intensidade nessa atividade. Quando alguma ameaça predatória ao ninho aparece, o adulto finge estar lesionado para proteger os filhotes e atrair o predador para longe do seu ninho.

A plumagem definitiva dos jovens bacuraus ocorre por volta dos 22 dias de vida, que é quando eles começam a realizar pequenos voos coordenados. Os filhotes possuem uma camuflagem quase perfeita, pois sua coloração muito semelhante à da folhagem seca do chão da mata. Eles permanecem imóveis no solo, dificultando a visualização.

As Lendas do Bacurau

Bacurau Escritor

Lenda do Bacurau e Pedro Alvares Cabral
Lenda do Bacurau e Pedro Alvares Cabral

Reza a lenda que, muito antes de Pedro Álvares Cabral descobrir o Brasil, os fenícios (povo de origem semita canaanita que se estabeleceu no país de Canaã por volta do século XXVIII a.C) já haviam visitado o nosso país. Certa vez, uma embarcação fenícia desembarcou em terras brasileiras e, dentre eles, havia um escriba que vivia escrevendo em rochas e em pergaminhos. Em um belo dia, esse jovem rapaz se perdeu na mata e foi parar em uma tribo indígena. Quando chegou ao local, ele foi confundido com uma espécie de Deus-Pássaro. Então, os índios vestiram este homem branco com uma roupa coberta de penas. Porém, o deus Tupã se zangou e transformou o escriba em um pássaro que foi batizado de bacurau. Apesar de tantos acontecimentos, o escriba não parava de fazer anotações em seu pergaminho e daí surgiu o ditado: “É dizendo e bacurau escrevendo!”. Mesmo após séculos, o escriba continuou em forma de bacurau.

Bacurau e a sela

Lenda do Bacurau e a Sela
Lenda do Bacurau e a Sela

Acredita-se que, na época do Brasil Colônia, o pássaro bacurau viu uma moça galopando em seu cavalo, se apaixonou dela e decidiu segui-la. De repente, o cavalo ficou irritado e saltou no rio. O animal e sua dona chegaram vivos, porém desacordados do outro lado do rio com a sela toda esfolada. O bacurau então resolveu consertar a sela e colocou algumas penas suas dispostas entre a manta e a sela. Desta maneira, quando as vítimas acordaram nunca mais tiveram problemas nas viagens. Por essa história, muitas pessoas acreditam que as penas do bacurau entre a manta e a sela fazem com que o cavalo não caia e nem salte em rio cheio.

Bacurau e a Dor de Dente

Dor de Dente e Bacurau
Dor de Dente e Bacurau

Há outra lenda indígena que diz que quando uma criança perde seu dente-de-leite, ela deve jogá-lo no telhado da oca e dizer: “Bacurau, me traga um dente bonito!”. Certo dia, a índia Jurema estava com uma forte dor de dente. Ela se queixou para o pajé da tribo, que aconselhou extraí-lo. Mas a moça não aceitou. Então, ela pensou: “Se o bacurau é capaz de trazer um dente bonito, ele também é capaz de curar um dente doente”. Então, ela exclamou olhando para o céu: “Bacurau, por favor, cure o meu dente!”. Naquele exato momento, caiu uma pena de bacurau na índia e ela se livrou da dor. Por isso, existe a lenda de que pena de bacurau cura a dor de dente.

Fotos do Bacurau, Pássaro Noturno

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *