Home / Informações / A Ave Balança-rabo-canela

A Ave Balança-rabo-canela

Reino: Animalia

Filo: Chordata

Classe: Aves

Ordem: Apodiformes

Família: Trochilidae

Género: Glaucis

Nome Científico: Glaucis dohrnii

Glaucis dohrnii
Glaucis dohrnii

O balança-rabo-canela é uma espécie rara de beija-flor brasileiro que vive na região de Mata Atlântica. O pequeno colibri está ameaçado de extinção por causa do desmatamento acelerado que vem destruindo seu habitat natural. Essa ave habita, mais especificamente, o norte do Espírito Santo e o sul da Bahia.

Atualmente, a Mata Atlântica é o bioma brasileiro mais ameaçado. De acordo com dados mais recentes, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em junho de 2015, apenas 14,5% da vegetação nativa da Mata Atlântica permanece preservada.

Esse cenário não é nem um pouco favorável para o balança-rabo-canela. Vem com a gente e conheça mais sobre essa minúscula e graciosa ave!

Ave Balança-rabo-canela
Ave Balança-rabo-canela

Características

Medindo cerca de 12 centímetros, da ponta do bico até a ponta de sua cauda, o balança-rabo-canela pesa, em média, apenas 9 gramas. O colorido do seu corpo é em tons de canela na parte de baixo e esverdeado na parte de cima. As penas da sua cauda são cor de bronze com pontas brancas. Os olhos são contornados linha branca bem fina.

Alimentação

A alimentação do balança-rabo-canela está diretamente ligada a sua função na natureza. Assim como a maioria dos beija-flores, essa ave se alimenta do néctar das flores, além de pequenos insetos e aranhas.

O néctar é um líquido doce presente nas flores, que é sugado pelos colibris com sua língua comprida e em forma de dois canudinhos. Ao pousar nas flores em busca do néctar, o balança-rabo-canela leva junto com ele o pólen e, a medida que eles pousam de flor em flor, eles vão transportando este pólen, que é fundamental para a produção das sementes.

Balança-rabo-canela Alimentação
Balança-rabo-canela Alimentação

Reprodução

O balança-rabo-canela só se aproxima do parceiro em tempos de acasalamento. Após esse período, eles são agem de forma muito independente e chegam a brigar entre si para defender seu território.

É a fêmea quem constrói o ninho para a postagem de seus ovos, que são chocados por cerca de 15 dias. Depois do nascimento, a fêmea cuida de seus e alimenta seus filhotes durante um ou dois meses até eles se tornarem independentes. Esse ritual ocorre entre os meses de setembro e fevereiro

O ninho, construído pela fêmea, tem formato alongado e termina num apêndice caudal que garante equilíbrio ao ninho. A estrutura é confeccionada com finas raízes e fibras, o que resulta em um trançado reticulado através do qual é possível ver os ovos. Nas paredes externas, são afixados alguns líquens e detritos vegetais. O ninho é comumente suspenso em uma folha de palmeira, de bananeiras ou semelhantes.

Balança-rabo-canela
Balança-rabo-canela

Curiosidades

  • Os colibris balança-rabo-canela gostam bastante de tomar banho, tanto em poças de água no chão quanto em cima das árvores. Suas preferidas são as bromélias.
  • A fêmea dessa espécie costuma ser um pouco maior que o macho.
  • Esses beija-flores estão entre as menores aves do mundo.
  • O balança-rabo-canela é a única espécie capaz de permanecer voando no mesmo lugar, como um helicóptero, ou de voar para trás.
  • Para executar essas habilidades, as pequenas asas dessa ave precisam movimentar-se muito depressa, o que demanda um gasto muito grande de energia. Dessa forma, eles precisam se alimentar bastante. Alguns exemplares do balança-rabo-canela podem comer, em apenas um dia, até oito vezes o peso de seu próprio corpo.
  • Esses beija-flores enxergam muito bem.
  • Embora muito pequenos, o balança-rabo-canela são aves muito valentes e sabem defender seu território, principalmente as flores que utilizam para se alimentar. Assim, alguns machos chegam até expulsar as fêmeas da sua própria espécie caso elas cheguem perto da sua comida.
Balança-rabo-canela Curiosidades
Balança-rabo-canela Curiosidades

Preservação no Parque Nacional Pau-Brasil

A Costa do Descobrimento é uma Reserva de Mata Atlântica e recebeu o título de Patrimônio Natural Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, em de dezembro de 1999, devido ao seu valor extraordinário para a ciência e para a preservação de ecossistemas de importância global.

Com 112 mil hectares, a Costa do Descobrimento estende-se por doze municípios do estado da Bahia e quatro do Espírito Santo e abriga Parques Nacionais que têm como objetivo presar pela conservação de várias espécies ameaçadas pelo crescente desmatamento e destruição de habitats.

Um desses parques é o Parque Nacional Pau-Brasil, criado em 1999. Trata-se  de uma Unidade de Conservação de proteção integral de 18.934 hectares, situada no município de Porto Seguro, na Bahia, entre os vales do rio do Buranhém e o Vale do Rio dos Frades.

Sua fauna é muito rica e diversa. No Parque Nacional Pau‐Brasil, foram registrados um total de 346 animais diferentes. Em levantamentos recentes, foram detectados 202 espécies de aves, 53 de mamíferos, 20 de répteis, 51 de anfíbios e 20 de peixes. Entre essas espécies, 18 aves estão fortemente ameaçadas de extinção, como o papagaio-chauá, a tiriba-grande, o sabiá pimenta e o balança-rabo-canela.

Ave Balança-rabo-canela 
Ave Balança-rabo-canela

Assim como toda a Mata Atlântica, a flora desse Parque também é muito diversificada.  Em estudos realizados recentemente no local, foi observado um total de 633 espécies de plantas, sendo 71 endêmicas da Mata Atlântica, 5 raras e 19 ameaçadas de extinção.

Algumas espécies vegetais que se destacam na área do Parque são: a Juerana, o Paraju, a Braúna, a Sapucaia, o Pequi, a Inhaiba, o Aderno, a Gindiba, o Arapati e a Juçara, além do próprio Pau Brasil. Nas áreas onde o solo é arenoso, ocorrem diversos tipos de bromélias e orquídeas.

Já entre os mamíferos ameaçados da região, o Parque abriga o macaco‐de‐ bando (ou macaco‐prego‐de‐cristas), o guigó, o bugio (ou barbado), a jaguatirica, o gato‐maracajá, o gato‐pequeno e a onça‐parda. Na área também já foram feitos registros visuais do gavião-real, conhecido também como harpia.

Ficou interessado em ver de perto toda essa raridade natural? Então saiba que é possível visitar o Parque Nacional Pau-Brasil, que pode ser acessado pela BR-367, em Porto Seguro (BA). Na cidade há várias opções de pousada e hotéis.

Fotos da Ave Balança-rabo-canela 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *