Home / Curiosidades / Baratas: Como Eliminar? O Que Comem?

Baratas: Como Eliminar? O Que Comem?

As baratas são representantes da Ordem Blattodea, subordem Blattaria, e constituem um dos grupos de insetos mais conhecidos e também com a maior taxa de repulsa do reino animal. São facilmente reconhecidas pela sua morfologia bastante característica, sendo que os adultos geralmente apresentam forma oval, achatada dorsoventralmente, de 10 a 50 mm de comprimento e de cor castanho claro a castanho-escuro ou preto. As baratas pertencem a um dos grupos de insetos alados mais antigos do planeta Terra e um de seus parentes mais antigos, um inseto semelhante a uma barata, era um dos animais mais abundantes durante o período Carbonífero. As baratas parecem ter sofrido pouca alteração morfológica desde cerca de 250 milhões de anos atrás, de quando datam os primeiros fósseis desses animais.

A Invasão Do Meio Urbano Pelas Baratas

As baratas são insetos majoritariamente encontrados em regiões de climas tropicais e subtropicais, mas são animais muito cosmopolitas, ocorrendo em quase todas as regiões climáticas do mundo.  Existem aproximadamente 4000 espécies descritas vivendo em populações pequenas e em uma grande variedade de hábitas, podendo ser encontradas em florestas, vivendo entre folhas mortas no chão, nos troncos de árvores e em bromélias, em tocas de animais, formigueiros e associadas a ninhos de outros insetos, em cavernas e, às vezes, em habitats semiaquáticos.

Considerando o elevado número de espécies já descritas, cerca de apenas 1% das espécies vivem no meio urbano e nos habitats domésticos. A associação sinantrópica de sucesso dessas poucas espécies pode ter sido o resultado dos hábitos de postura e alimentação das baratas.

Curiosidades da Barata
Curiosidades da Barata

As preferências de habitat de espécies tropicais da África e da Ásia, por exemplo, provavelmente colocaram as baratas em contato próximo com habitações humanas no passado de nossa história na Terra. Algumas espécies ocorriam em cavernas e se alimentavam de resíduos animais ou outros tipos de matéria orgânica e, naquele momento, as baratas podem ter se associado a humanos que se utilizavam de cavernas como lar temporário. A atual distribuição cosmopolita das principais baratas domésticas pode corroborar essa hipótese de associação sinantrópica, pois a maioria das espécies consideradas pragas são, na verdade, nativas de regiões tropicais do norte da África e do sul da Ásia e sua presença nas demais regiões é indicativa de sua associação com os seres humanos e sua capacidade em se adaptar a ambientes alternativos. O transporte comercial de pessoas, de bens e de alimentos foi provavelmente o maior mecanismo de dispersão de espécies de baratas. Atualmente, é a associação com a matéria orgânica em decomposição e condições úmidas que mantêm algumas espécies no meio urbano. Algumas espécies se adaptaram ao ambiente doméstico, mas neste habitat elas geralmente selecionam locais que fornecem a temperatura e umidade de seu habitat natural.

Barata na Cidade
Barata na Cidade

As espécies domésticas estão intimamente associadas a alimentos, abrigo e condições fornecidos por seres humanos, sendo encontradas alojadas em fissuras, drenos ou junto ao lixo. Dados científicos comprovaram que existem diferenças morfológicas, fisiológicas e comportamentais entre as baratas urbanas e aquelas espécies não associadas aos seres humanos, permitindo que elas colonizem e sobrevivam em ambientes alterados por humanos. No entanto, embora a existência das baratas em algumas regiões esteja associada aos humanos, a sobrevivência de algumas espécies pode não estar ligada à atividade humana, pois alguns indivíduos são, na verdade, membros de populações de reservatórios afastados do ambiente doméstico e urbano.

A Alimentação Das Baratas

A maioria das espécies de barata possui hábito noturno, principalmente aquelas espécies que habitam os ambientes urbanos, podendo ser solitárias, gregárias ou sub-sociais, mas muitas espécies ajustam seus hábitos e preferências alimentares para se adequarem às condições ambientais e aos recursos alimentares disponíveis. As espécies silvestres de baratas são consideradas saprófagas, mas a maioria das espécies é onívora, e sua alimentação inclui uma variedade de matérias vegetais e animais em decomposição, ingerindo uma quantidade balanceada de carboidratos, proteínas e gorduras. A diversidade trófica das baratas também inclui madeira e a disgestão desse material é facilitada pelas várias espécies de microorganismos simbióticos e parasíticos, como protozoários e bactérias, no interior do intestino posterior. A localização e seleção de alimentos pelas baratas envolvem quimiorreceptores localizados nas antenas e nos aparelhos bucais. A disponibilidade de alimentos freqüentemente controla o ciclo reprodutivo e influencia o crescimento de muitas espécies. Curiosamente, as baratas domésticas podem sobreviver por dias sem água e comida, sendo consideradas um dos animais mais resistentes do planeta.

As Baratas e os Problemas De Saúde Pública

As baratas domésticas podem não ser o principal meio de propagação e causa de doenças específicas, mas seus hábitos fazem com que tenham o potencial de serem portadores crônicos de vários organismos patogênicos. Esses insetos são responsáveis ​​por causar grandes perdas econômicas e problemas à saúde pública, uma vez que atuam como dispersores de bactérias e vírus que causam doenças em humanos. Os hábitos de alimentação, o comportamento e as atividades das baratas no ambiente urbano fazem com que elas tenham contato com uma ampla variedade de matéria orgânica em decomposição. Assim, muitos organismos patogênicos infectam naturalmente baratas domésticas, como vírus, protozoários, bactérias, fungos e helmintos. As mesmas atividades que aproximam as baratas dos agentes infecciosos aumentam o potencial de disseminação desses organismos pelas baratas. Além disso, a morfologia e características do comportamento das baratas são verdadeiras fontes mecânicas de transporte e transferência de microorganismos, como, por exemplo, espinhos e cerdas nas pernas ou o hábito de defecar enquanto descansam, forrageiam ou se alimentam.

Como Controlar a Eliminar as Baratas

Os inimigos naturais das baratas incluem uma variedade de predadores e parasitas. Os predadores vertebrados incluem sapos, peixes, répteis, em especial as lagartixas, aves e mamíferos. Entre os artrópodes, os predadores incluem libélulas, louva-a-deus, besouros carabídeos, ácaros, vespas, formigas, escorpiões, centopéias e aranhas.  Considerando essa diversidade de predadores naturais, é importante a conscientização da população em preservar esses grupos de predadores, no combate às baratas. Além disso, uma medida eficaz no combate às baratas são as estratégias de controle biológico já praticados por algumas empresas utilizando-se de um fungo que naturalmente infecta muitas espécies de insetos.

Baratas
Baratas

Esse fungo utilizado como agente biológico penetra no exoesqueleto e pode infectar as aberturas naturais, como os espiráculos, e o desenvolvimento da doença culmina na morte da barata. Também como forma mais tradicional na eliminação das baratas, o controle químico consiste no uso de inseticidas de pós-secos e aerossóis contra animais adultos e ninfas. Esses produtos são práticos, pois causam uma morte rápida, mas não são eficientes a longo prazo, pois a crescente frequência de aplicações gera resistência dos focos de baratas, além da possibilidade de contaminação do meio ambiente. De forma simples, a melhor maneira de se combater a proliferação de baratas é a prevenção. Considerando a associação desses insetos com material em decomposição como esgoto e lixo doméstico, uma boa solução é o cuidado com a higiene e limpeza doméstica, acondicionamento adequado do lixo orgânico, controle de vazamentos e problemas com esgoto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *